Alfabetização e Letramento Alfabeto

Alfabeto com imagens – Método Fônico

Alfabeto com imagens – Método Fônico

Ah, amigos! Essas fichinhas aqui são maravilhosas, deu muito trabalho fazer, mas ficaram ótimas, como iniciei o processo de alfabetização com minha filha mais nova imprimi, recortei e plastifiquei. essas fichinhas ficam a mão da minha filha, e sempre que tenho oportunidade pergunto a ela as iniciais de cada objeto nas fichas. Indexei nas fichas as imagens do método fônico, que acho bem interessante para fixação do objeto ao som. Minha filha ama as figurinhas e fica brincando sempre que chega amiguinhos para brincar com ela. Recomendo aos pais iniciarem o processo de alfabetização a partir dos 5 anos e meio, nada que seja forçado, sempre adicionando estas atividades de forma lúdica e num período de tempo bem curto, eu faço esses exercícios umas 3 vezes por semana e por cerca de 20 minutos ou até ela se desinteressar.

Não é difícil, na verdade a criança é incrivelmente inteligente e a cada letra aprendida é um mais uma motivação para ela, as letras mais fáceis são as vogais, pois os sons são mais distintos e limpos, mas isso depende também da capacidade e habilidade de cada um.

Lembrando que, o processo de alfabetização para fixação das letras, objetos e sons é repetitivo e contínuo, a criança aprende por repetição.

Boa sorte e bom trabalho para vocês, disponibilizo para vocês todas as letras do alfabeto.

Bom trabalho!

Nessa abordagem, antes de ser dado a criança um livro para ler, elas aprendem os sons das letras, fonemas. Depois que algumas desses já foram aprendidos, ai então se ensina a combiná-las de modo a formar palavras (FEITELSON, 1988).

  1. Sons das letras. A introdução inicial dos fonemas, sons das letras, geralmente dá-se por meio de historinhas criadas para que elas identifiquem a relação grafema/fonema, letra/som, estuda; podemos citar a “História da Abelhinha” e a História da Casa Feliz”; ou seguindo sugestão de (CAPOVILA, 2007) o/a professor(a) mostra a letra e pronuncia o som da mesma, depois dá exemplos de coisas, conhecidas das crianças, que iniciam com o som “a” e pede que repitam as palavras pronunciadas; escreve-as no quadro destacando a letra trabalhada.
  2. Combinando sons. O aluno pode começar o intento de combinar os sons antes de dominar todo o alfabeto. Após já terem aprendidos alguns fonemas, como: /u/ /a/ /o/ /t/ e /p/, usa-se um alfabeto móvel e solicita que as crianças formem palavras com essas letras; elas formarão algumas palavras: pata, pato, tato, tatu, tapa, topo, etc; depois disso elas são incentivadas a pronunciar o som de cada letra uma por uma e em seguida combina-os para gerar a pronúncia da palavra. Use no início palavras simples, com até 4 letras, até os alunos se sentirem confortáveis com o processo, depois palavras maiores, palavras com dígrafos /ch/ /tr/ e por ultimo as exceções fonéticas, casa /kaza/ hospital /ospital/. A cada nova relação som/letra ensinado revise as já aprendidas usando as mesmas para formar novas palavras. Desta forma estará gradativamente ampliando a capacidade leitora de seus alunos.
  3. Montando frases. Quando os alunos já poderem a pronunciar várias palavras confortavelmente, monte frases com essas palavras e incentive-os a lê-las e depois a criarem suas próprias frases.

Assim a criança constrói a pronuncia por si própria. Muitas das correspondências som-letra, incluindo consoantes e vogais e dígrafos, podem ser ensinados num espaço de poucos meses, desse modo as crianças são alfabetizadas num período de quatro a seis meses, quando passam a ler textos cada vez mais complexos e variados, conforme afirma a pedagoga Regina Maria Chaves, que utiliza o método a vários anos. Isso significa que as crianças poderão ler muitas das palavras desconhecidas que elas mesmas encontram nos textos, sem o auxilio do professor para tal.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.